quinta-feira, 8 de junho de 2017

Silenciar sentimentos pode colocar sua saúde em risco

CONHEÇA OS PERIGOS

Quantas coisas reprimimos diariamente? Guardamos sentimentos como quem esconde um tesouro roubado, no entanto, não roubamos sentimentos, portanto, não faz sentido escondê-los de uma forma tão dura assim. Não é mesmo?

“Você pode se enganar e enganar muitas pessoas fazendo o papel de bonzinho, de coitadinho ou contar mentiras para não ferir essa ou aquela pessoa. Você pode esconder tudo de todo mundo, mas o seu corpo sente e reage as agressões que você tem cometido contra ele.

Se você continua naquele relacionamento que não suporta mais, naquela rotina que tira a sua alegria, naquela sociedade que já se desgastou, naquele emprego que rouba o seu prazer, ou naquela amizade mais falsa que nota de R$ 60,00, o seu corpo vai sentir essas emoções e como uma bateria, vai carregar e armazenar esses sentimentos, até que um dia vai explodir como bomba atômica.

Desde crianças, somos obrigados a segurar ás emoções. Muitos pais ensinam que chorar é “sinal de fraqueza”, “masturbação é pecado”, “sexo é vergonhoso e ter prazer é coisa de pessoas sem vergonha”. Desde muito pequeno, vamos sendo castrados em nossos sentimentos e emoções e quando podemos tomar nossas próprias decisões, em nome de “convenções da sociedade”, seguramos nossa raiva, nossa indignação, não abraçamos nossos amigos, não beijamos mais por uma vergonha besta e ridícula. A menina não abraça a menina por ter medo de ser chamada de “sapatão”, o menino não abraça o menino com medo de ser chamado de “bicha” e os homossexuais, escondem seus sentimentos com medo de serem rechaçados pela família e pela "comunidade."

Assim, vamos armazenando sentimentos que precisam sair de alguma forma, e normalmente, todas as emoções se traduzem em raiva e/ou tristeza, uma sombra que se esconde por trás de sua aparente figura. Quanto mais tempo você sofrer calado, mais doente vai ficar…”  
Paulo Roberto Gaefke

É, de fato, no final das contas, o maior prejudicado é você.

1. O meio-termo entre a necessidade da fala e o silêncio
Sabemos que o silêncio é sábio, e é sempre bom pensar antes de falar, afinal, ante algumas palavras ignorantes, ante um comentário fora do lugar ou ante uma expressão inadequada, optemos sempre por fechar a boca e agir com mais inteligência do que aquele que fala sem pensar.
Mas devemos encontrar um equilíbrio entre o silêncio e defesa de nossas necessidades:
Silenciar nossos sentimentos ou nossos pensamentos deixa que, a pessoa que está na nossa frente, não saiba que está nos machucando, ou que está ultrapassando alguns limites. Ninguém consegue adivinhar o pensamento dos outros, por isso se não dizermos aquilo que nos faz mal ou que nos ofende, as outras pessoas não o saberão.

Existem silêncios sábios e palavras sábias. Saber quando se calar e quando falar é, possivelmente, a melhor habilidade que podemos aprender a desenvolver. Não se trata, de modo algum, de estar sempre caldo ou de dizer aquilo que temos em mente. Os extremos nunca são bons. Mantenha o equilíbrio, mas lembre-se sempre que esconder os sentimentos pode nos machucar. Você permite que outros invadam seu espaço pessoal, que atravessem os limites e que falem por você ou que escolham por você. No final, você será quase uma marionete guiada por fios alheios.

2. As palavras silenciadas convertem-se em doenças psicossomáticas
Você não ficará surpreso em saber que a mente e o corpo estão intimamente relacionados e conectados. A conexão é tão grande que os especialistas advertem que quase 40% da população sofre ou sofreu em sua vida com alguma doença psicossomática.

O nervosismo, por exemplo, altera nossas digestões, causa diarreias ou a clássica dor de cabeça. Muitos herpes labiais são desencadeados por processos de estresse elevados, de nervosismo e febre. Logo, ficar calado todos os dias e internalizar o que sentimos e o que pensamos gera em nosso organismo uma alta carga de ansiedade.

Pense em todas aquelas palavras que não deseja dizer aos seus pais ou aos seus amigos para não ferir seus sentimentos. Eles fazem as coisas por você pensando que estão ajudando, quando na verdade não estão contribuindo. Por que você não conta a verdade?

Tudo isso, no final, irá originar doenças psicossomáticas, enxaquecas, pressão alta, cansaço crônico.

3. Dizer em voz alta suas palavras: a chave do desabafo emocional
Não tenha medo de escutar sua própria voz, e muito menos que os outros também o façam. É algo tão necessário como respirar, como comer, dormir. A comunicação emocional é ideal para o nosso dia a dia, para estabelecer relações mais saudáveis com os demais e, logicamente, com nós mesmos.

Aqui vão algumas dicas básicas para obter sucesso:
– Pense que tudo tem um limite. Se não dizermos em voz alta tudo aquilo que pensamos e sentimos, não estaremos atuando com dignidade, perderemos nossa autoestima e o controle de nossa vida. Primeiramente, tome consciência de que dizer o que está pensando e precisando é um direito.
– Dizer o que você pensa não é causar danos a ninguém. Significa se defender e, por sua vez, informar aos demais de uma realidade que deveriam conhecer.

–Não fique preocupado com a reação das outras pessoas, não tenha medo. Porém, se você se preocupa muito com o que pode acontecer, pode se preparar ante as possíveis reações. Um exemplo: está cansado do fato de que seus pais apareçam em sua casa todos os finais de semana e que não está tendo relações com seu companheiro. De que maneira você acredita que irão reagir? Se você acredita que eles irão ficar chateados, prepare-se para justificar que não existe razão para magoas. Caso você pense que eles ficarão machucados, prepare também o modo como irá argumentar, para não feri-los.

Pense que as palavras, dizer em voz alta aquilo que sentimos e pensamos é, na verdade, o melhor modo de liberação emocional que existe. Pratique-o com sabedoria, cuide de si mesmo.

(fonte:www.psicologiasdobrasil.com.br)

Fraternos Abraços

Purga Emocional


Muitas vezes passamos por situações de grande carga emocional, situações que consomem as nossa energia de tal modo que acabamos por nos sentir esgotados. Situações que nos afastam do nosso centro, que nos retiram o nosso EU.

Quando esta carga emocional termina, quando estamos mais calmos, é que sentimos uma grande quebra no nosso corpo físico, mental, emocional e espiritual.

A purga emocional, é a libertação de todas as emoções negativas acumuladas no corpo físico, mental, emocional e espiritual, para recuperar o equilíbrio, o nosso centro.

Este processo é uma resposta ao acumulo de emoções sobre o corpo. Nesta fase, normalmente a pessoa sente uma grande necessidade de se isolar e realizar atividades que potenciam a introspecção.

No processo de introspecção, a mente irá recordar momentos marcantes na vida, sendo eles bons ou maus para permitir a resolução destes pendentes. Muitas vezes estes pendentes não são resolvidos no plano físico, mas sim no plano espiritual por intermédio de sonhos.

Muita gente confunde a purga emocional com depressão, aliás, quase tudo hoje em dia está associada a baixas emocionais, se associa a depressão o que constitui um erro. A purga dá cansaço, suores frios, muitas lembranças vívidas, tristezas e alegrias, tudo ao mesmo tempo.

Não obstante, este processo causar alguma dor, a purga é um processo de cura. É a limpeza do corpo e alma.

Para as pessoas que são tendencialmente apegadas, elas prendem estas emoções, que acabam por se manifestarem no corpo físico. As doenças psicossomáticas são resultado deste acumulado de emoções negativas. Assim sendo, a purga para libertar estas emoções serve precisamente para limparmos o nosso corpo e alma.


(fonte: ohomemeamente.blogspot.com.br)

Abraços Fraternais

Os Cristais

Como seres vivos que são, os Cristais, 
quando convenientemente utilizados e aplicados,
podem-se transformar em potentes aliados da Natureza,
no auxílio dos mais diversos processos de Equilíbrio,
Desenvolvimento e Evolução Espiritual.
Através da Energia dos Cristais,
podemos descobrir 
e iluminar áreas da nossa vida que,
até então, nos tinham passado despercebidas,
ajudando-nos no nosso próprio processo de Autoconhecimento.
Assim, podemos aprender a melhor expressar a nossa Luz,
trabalhando em Harmonia com a Natureza 
para o desenvolvimento de um Eu Superior.


A Cristalterapia parte da teoria, de que tudo no Universo é Energia 
em diferentes estados de condensação e vibração,
incluindo a matéria.
Tudo no Universo está interligado e em interação.
Os Cristais, segundo esta concepção,
são condensações de pura Energia Telúrica,
armazenada no seio da Terra ao longo de milhões de anos.
Por serem pura Energia,
vibram em alta frequência,
absorvendo com facilidade Energias elevadas.

Método Terapêutico que visa Equilibrar Corpo, Mente e Espírito.

Amor, Luz e Paz

domingo, 4 de junho de 2017

A necessidade de aprovação, do agradar e do Elogio


Todos nós temos um certo grau de aceitação dos outros e elogios é sempre bom de se ouvir. No entanto, como tudo, não devemos necessitar dele.

Existem pessoas que precisam muito da aprovação dos outros para aceitar as suas próprias vitórias. Precisam do elogio, cumprimento e quase uma plateia para atestar que o que está feito está bom. Este é um problema comum da falta de confiança em si próprio.

É preciso ter em conta que qualquer pessoa que nos dá uma opinião, está carrega, emoções, experiências, medos e nível de conhecimento de quem a dá. E a visão dela pode não ser a que partilha.

Este problema muitas vezes está personalizado, ou seja, existe aquela pessoa que tanto queremos agradar, aquela pessoa de quem esperamos sempre uma atenção, que se orgulhe de nós e para qual nada nos parece suficiente. ELIMINE ESSA NECESSIDADE!

Normalmente quando a necessidade de aprovação e elogio está personalizada, também tem muito a ver com o sentimento de não ser o suficiente, nunca chegar, não agradar o suficiente. Este sentimento é particularmente mais vincado na mulher do que nos homens e está muitas vezes associada a infância e a uma figura paternal ou maternal.

Esta necessidade se não estiver equilibrada, fará com necessite sempre de opiniões de terceiros para tomar decisões, ao contrário de ver com os próprio olhos. Fará com que nunca será capaz de apreciar algum feito seu, sem que tenha aprovação do outro. Fará também que muitas vezes estará tão entusiasmada com alguma realização e quando for contar ou apresentar não receba o mesmo entusiasmo de terceiros. Isso fará sentir-se triste, em baixo e desmotivada, de baixa auto-estima, não porque o trabalho não vale, mas sim porque nem sempre os outros têm a sensibilidade para perceber o que foi feito.

A necessidade de agradar, está diretamente associado ao medo. Medo da perda nas relações, medo do confronto, falha de comunicação e muitas vezes apatia.

A necessidade de agradar, principalmente quando este ato te causa dor, é falta de Amor Próprio. Tudo na medida certa. Devemos agradar os outros na medida que nos possa também agradar. É importante dar, mas, também é muito importante sabermos receber.


(fonte: ohomemeamente.blogspot.com.br)

Fraternos Abraços

Vencer o medo




Você é capaz de vencer o medo e realizar coisas incríveis!

O primeiro passo para isso é você mesmo acreditar, ou sentir isso, ter a confiança na sua capacidade de realizações.

Você precisa se permitir, ou seja, não viver podando a sua vida com limitações que impedem o fluir dos eventos benéficos, que impactam na sua produtividade, enfim, na sua vida como um todo.

Através desse se permitir você vai poder ver que existem novas possibilidades, pois as possibilidades são infinitas mas é preciso está aberto para vê-las, e quando você se reprime consequentemente se fecha para o novo.

Esse se permitir também engloba vencer o medo, o medo deixa a pessoa incapacitada, o grande passo é vencê-lo, porque uma vez que você vence o medo então passa a se desenvolver e seguir rumo às novas realizações.

Como vencer o medo e seguir rumo às novas realizações

Na grande maioria das vezes o medo que se sente não tem uma lógica racional, está baseado por exemplo em crenças, crenças essas que em geral são adquiridas lá na primeira infância, e outras crenças que vão sendo adquiridas ao longo da vida.

O medo paralisa a pessoa, pode se manifestar através de uma ligeira ansiedade, ou podendo chegar a um pavor total quando a pessoa precisa enfrentar alguma situação e não consegue.

É importante conseguir identificar quais estímulos causam ansiedade e provocam como consequência a sensação de medo, e a partir daí trabalhar isso, de forma a está eliminando essa sensação.

Se você vê o medo como um muro tenha certeza que pode escalar esse muro e chegar do outro lado, basta ter a coragem, não esqueça que a coragem não é a ausência do medo mas a capacidade de encarar e superar.

Determine prioridades para sua vida, coloque o foco no que você quer de verdade, não deixe que distrações o atrapalhem, muitas vezes essas distrações que lhe tiram o foco do que realmente deve ser a prioridade para você podem é acabar jogando você na sensação do medo, o medo de não conseguir realizar algo desejado.

Quando você estabelece o que é prioridade para você, ali fica determinado que é algo de grande importância e que pode e deve seguir até se chegar aos resultados desejados, é tudo uma questão de ter uma mentalidade focada nos resultados, mas sem a ansiedade, sempre com o sentimento de confiança.

Falando em mentalidade, você precisa está com o foco total no positivo, veja sempre que você só tem a ganhar com a situação, se você começa o colocar na sua mente o "mas" mas isso, mas aquilo, é certeza que o medo vai se instalar e vai bloquear teu desenvolvimento.

E lembrando que não é só pensar positivo, pois só pensamento não basta, é agir sempre na positividade, é atitude positiva.

Se você mesmo não acreditar em você, nas suas capacidades, ninguém mais vai acreditar, isso é fato! Seja autoconfiante, ou seja, esteja seguro das suas decisões.

Pare de fazer suposições, inventar desculpas e alimentar ideias que só te sabotam, visualize-se em situações de sucesso, visualize-se feliz, realizado, isso vai impulsionar você rumo aos resultados.

Busque se tranquilizar, não há dúvida alguma que quando nós sentimos em paz, tranquilidade e harmonia, as situações fluem de maneira favorável a nós.

Como já disse em outros textos aqui torno a dizer, pois é algo que faz parte da minha vida há algum tempo, que é a meditação, medite, vai ajudar muito, mas muito mesmo, existem várias formas de meditar, é só encontrar a que você se adapte melhor, o importante é você se sentir bem e confortável.

(fonte: escolhaprosperidade.blogspot.com.br)

Posso temer tudo, 
mas, 
jamais vou ter medo de lutar contra meus fantasmas!

Acredite em você!

Amor, Luz e Paz

sexta-feira, 2 de junho de 2017

O medo e o Ego


O ego, escreve o Filósofo Budista Han de Wit, “ é também uma reação afetiva ao nosso campo de experiência, um movimento mental de recuo baseado no medo”. Por medo do mundo e dos outros, por receio de sofrer, por angústia sobre o viver e o morrer, imaginamos que ao nos escondermos dentro de uma bolha — o ego — estaremos protegidos. Criamos, assim, a ilusão de estarmos separados do mundo, acreditando que dessa forma evitaremos o sofrimento. Na realidade, o que acontece nesse caso é justamente o contrário, uma vez que o apego ao ego e à auto-importância são os melhores ímãs para atrair o sofrimento.

O genuíno destemor surge com a confiança de que seremos capazes de reunir os recursos interiores necessários para lidar com qualquer situação que surja à nossa frente. Isso é totalmente diferente de retirar-se na auto-absorção, uma reação de medo que perpetua profundos sentimentos de insegurança.

Cada um de nós é, de fato, uma pessoa única, e está certo reconhecermos e apreciarmos quem somos. Mas ao reforçarmos a identidade separada do ego, perdemos a sintonia com a realidade. A verdade é que somos fundamentalmente interdependentes das outras pessoas e do ambiente. Nossa experiência é o conteúdo do fluxo mental, do continuum da consciência, e não há justificativa para ver o ego como uma entidade distinta desse fluxo.

Imagine uma onda que se propaga, influencia o ambiente e é influenciada por ele, sem que por isso se transforme no meio de veiculação ou transmissão de qualquer entidade particular.

Porém estamos tão acostumados a fixar o rótulo de “eu” a esse fluxo mental, que chegamos a nos identificar com este último e temer o seu desaparecimento. Segue-se daí um poderoso apego ao ego e à noção de “meu” — meu corpo, meu nome, minha mente, minhas posses, meus amigos, e assim por diante — que leva ao desejo de possuir ou ao sentimento de repulsa pelo “outro”.

É assim que os conceitos de “eu” e “outro” se cristalizam na nossa mente. Ficamos com a impressão errada de que existe uma dualidade irredutível e inevitável, criando assim a base para todas as nossas aflições mentais, como o desejo alienante, o ódio, o ciúme, o orgulho e o egoísmo.

Nesse ponto percebemos o mundo através do espelho deformante das nossas ilusões e permanecemos em desarmonia com a verdadeira natureza das coisas, o que leva à frustração e ao sofrimento.

Por Monge Budista Matthieu Ricard


Namastê / Namaskar

O que é Guashá?


A técnica do Guashá é usada para tratar diversos problemas de foro muscular, tendinoso e circulatório. 

Remove bloqueios de Energia e melhora a circulação do Qi, aumentando a resistência do organismo.

A técnica do Gua Sha consiste em utilizar a raspadura terapêutica por meio de pedra de jade, colher de porcelana, pires, chifre de búfalo e outros meios, para através de estímulos em áreas específicas produzir efeitos terapêuticos locais e restabelecer as funções orgânicas, podendo ainda ser utilizada como método diagnóstico.


Tratamento com GUASHÁ 

O termo "Gua" significa raspar, escovar, arranhar. 
"Sha" tem um significado mais complexo como areia ou sujeira.

Na China, essa técnica foi e é muito utilizada pelos camponeses. Pelo fato de não provocar efeitos colaterais pode ser usada para tratar doenças causadas por invasão de fatores patogênicos externos (como artrites, cervicalgias, dores lombares, contraturas, etc.). O Gua-Sha tem origem na pré-história, e a prática também foi observada em comunidades indígenas que tinham por hábito esfregar o corpo para aliviar sintomas de dor. Esta é uma das técnicas mais comuns na Medicina Tradicional Chinesa.

Durante o tratamento é colocado um óleo especial sobre ao corpo, na região a ser tratada. A pele é raspada até apresentar leve hiperemia. As áreas que apresentam Desequilíbrio Energético, apresentam, além da hiperemia, uma pigmentação mais profunda que, segundo a MTC, indicam a estagnação de Fluidos Vitais e da Energia dos Meridianos (canais de energia do corpo). O cliente não sente dor durante ou depois do tratamento e a pele não fica lesada. A pigmentação desaparece dentro de poucos dias sem deixar vestígios.

Os efeitos Benéficos do Guashá devem-se à sua atuação simultânea na pele, nos tecidos conjuntivos, no sistema linfático, nos músculos, vasos sanguíneos e, por último, nos órgãos internos. O simples gesto de raspar tem efeitos tão benéficos como a massagem, a moxabustão, a drenagem linfática, as terapias de oxigenação e estimulação do sistema imunológico.

A lista de doenças possíveis de serem tratadas é vasta: 
destaca-se o reumatismo, as enxaquecas, fadiga crônica, dores nas costas e região cervical, ciática, problemas digestivos, asma, desordens metabólicas, angina de peito, hipertensão, deficiências do sistema imunológico, etc. 

Fraternos Abraços